facebooklikebutton.co

Costa Rica um paraíso

Costa Rica um dos países mais gay friendly das Américas! Leia Mais >>>

Gaycast #!

DQOGG também em áudio! Leia Mais >>>

 

Briga de Espadas – Como resolver o problema?

Briga de Espadas – Pesadelo dos ativos

briga de espadas

Briga de Espadas é coisa séria! Quem é ativo sabe como é tenso chegar no cara, ficar e só depois, na hora H, descobrir que ele também é ativo. Só tenho uma palavra pra dizer: Tenso!

Todo mundo tem sua preferência na cama, alguns gostam de ser passivos, outros ativos e há aqueles que curtem fazer de tudo. Faz barba, cabelo e bigode e fica feliz independente do que role na cama. Se você é um desses, jogue suas mãos para o céu e agradeça. As vezes, nós que preferimos umas das posições sexuais acabamos entrando numa fria, ou melhor, numa dura!

Já tive problemas assim, inclusive namorei um cara [talvez um dos meus namorados mais incríveis] que também era ativo. Transar era gostoso? Com certeza, mas quando era a ‘minha vez‘ de ser passivo a coisa era complicada! O motivo de não namorar ele até hoje? Exatamente esse! Era uma verdadeira briga de espadas na cama.

Transar com ele era gostoso, mesmo quando ele era o ativo da vez, mas isso realmente me incomodava. Apesar de sentir prazer também não conseguia realmente me soltar. Geralmente conseguimos quando fazemos aquilo que curtimos, meu desempenho como passivo é no mínimo regular.

Agora se você está totalmente apaixonado e acha que encontrou o homem da sua vida, mesmo sendo ele ativo também e a noite terminando numa briga de espadas, confira as dicas a seguir:

briga de espadas

Dicas para resolver briga de espadas:

Nada melhor que uma boa conversa. Em um relacionamento é importar abrir mão de algumas coisas, no caso, de algumas pregas.

Alterne os dias que fará ativo e passivo. Se é um relacionamento e ambos tem o direito de gozar gostoso dê oportunidade dele também te comer. Se você não fizer pode ter certeza que o relacionamento ficará tenso.

Nem todo sexo gay precisa ter penetração, não é? As vezes dá pra brincar e deixar a imaginação rolar com preliminares. Nada como um bom e gostoso sexo oral, uma punheta a dois ou até mesmo cunete. [Não sou fã de ser passivo, mas admito que cunete é uma delícia. Apesar de preferir fazer do que receber].

Último conselho e mais importante: Se você curte realmente o cara aprenda que no sexo vale tudo para ter e dar prazer. As vezes pode ser algo que você não curta, mas quem sabe com o tempo você não veja que há tanto prazer dando quanto comendo alguém.

Não faça como o tio Peagá, não deixe seu relacionamento acabar por algo tão simples de resolver.

Leia também:

12 Responses to Briga de Espadas – Como resolver o problema?

  1. Carlos disse:

    Sou ativo, e não rola MESMO com outro ativo, ja deixo bem claro

  2. Cara, que postagem idiota! Quem nesse planeta está procurando um relacionamento para ficar a todo tempo tendo uma transa sofrível! Os masoquistas que se deleitem! Eu estou fora!

    • E quem disse que é sempre sofrível? Acho que você não entendeu a ideia do post!
      O intuito é alertar que por mais que se tenha preferência na cama, sempre dá pra sentir prazer, seja como ativo, passivo ou com brincadeiras.

      Acredito que apenas quem já realmente teve um relacionamento sério sabe do que estou falando. ¬¬

      • Meu filho, fazer o que não se quer na cama é sempre sofrível. Não me vem com esse papinho de versátil de que todo mundo gostaria de tudo que não cola. Eu entendi muito bem a ideia do post e me remeteu a uma ideia estúpida que eu vejo muito no meio hétero em que dizem que a mulher tem que dar o cu para segurar o marido. Mentira pura. Dando ou não dando o cu, quem tiver que procurar, vai procurar do mesmo jeito. Alguém fazendo por esse motivo, não impedirá o parceiro de procurar outr@ porque as pessoas querem parceiros sexuais que gostem daquilo que estão fazendo e não apenas fazendo por obrigação conjugal, que é o que vocês sugerem.

        E não creio que tu saiba universalmente da natureza de todos os gays do planeta para afirmar que todos seriam versáteis dentro de um relacionamento sério. Generalização escrota de versátil que só vê o mundo a partir do próprio umbigo. Da minha parte, não importa a natureza do relacionamento. O amor por outra pessoa não pode ocorrer às custa do meu amor por mim mesmo.

  3. Gabriel disse:

    Rapazes, o que vocês acham deste vídeo?

    http://www.youtube.com/watch?v=Ry4PEiZYHRo&list=UUmNf831XwbcDRYz7SpV3JVw&index=15

    Alguns chamam de homofobia interna, não sei se o assunto já foi tratado no site, mas é bem interessante.

    Abraços!

    • Não entendo como um gay pode pensar assim a respeito de si mesmo e de sua sexualidade.

      Em que ponto a religião é benéfica as pessoas tornando-as ovelhas acéfalas seguidoras de uma religião intolerante, onde o amor de Deus sinceramente não existe?

      Sabe o que eu acho que essa gay precisa? DE ROLA NO CU!

      [PS: Coloquei na fanpage do blog ~> http://www.facebook.com/DQOGG

  4. […] * Do que os Gays Gostam – Briga de Espadas: Pesadelo dos Ativos […]

  5. […] mesmo é quando nenhum dos dois quer abrir mão de ser o ativo da transa e tudo terminar numa Briga de Espadas. Aí você não aproveita nada, não é […]

  6. […] que o gouinage é uma nova tendência para o sexo gay, não apenas uma solução para a briga de espadas ou a quebração de louça entre dois passivos, ambos os caras são gouines [como são chamados os […]

  7. […] Lannister é um papel que consome demais o Nikolaj Coster Waldau, seja montando a cavalo ou briga de espadas e entre as aulas de equitação, o ator também tira fotos para diversas […]

  8. Olá, Peagá.

    Já passei por essa situação mais vezes do que gostaria.
    Ninguém cede (porque provavelmente não terá sua vez) e fica aquele estresse na cama. Broxante.

    Dentre as coisas que você mencionou, e que concordo parcialmente, acho que faltou abordar um aspecto:

    Chega a ser um clichê, mas é relevante o fato de que a maioria de nós (senão todos) ainda é bem machista e tem aquele receio de estar perdendo a virilidade/masculinidade ao dar pra outro cara, tornar-se “menos macho”.

    Tanto é que há uma necessidade besta de ficar se reafirmando que é ativo, ou que “prefiro ser ativo” – mais precisamente como maneira de se distanciar do “lado B” do que declarar uma preferência propriamente.

    É uma realidade tão estúpida que chegamos ao absurdo de chamar alguém de “passivo”, pois ainda é algo ofensivo…

    ( É bem parecido com ser “hétero”, ficar batendo no peito que é macho e curte mulher e, adicionalmente, falar mal de “viado”. )

    Entretanto, o engraçado é que tentamos (ou seja, desejo há).
    Só que essa “trava” sócio-emocional impede que o cara relaxe e aproveite – e saia falando que não gostou, que dói, que já tentou é só prefere ser ativo mesmo (num alívio danado).
    Obviamente que isso não exclui a preferência por isso ou aquilo.

    Estou generalizando? Talvez. Mas me baseio em incontáveis conversas e, claro, por experiência.

    Conversa, acompanhada de Atitude, é a solução mesmo. Ficou vago: Em que sentido?
    Conversa justamente sobre esse tabu, que os dois são Homens na relação e que isso não mudará porque deu o brioche pra quem você gosta e tem intimidade.
    Atitude (mútua!) de confiar no outro e se entregar…

    Exige preparar a própria cabeça pra isso. Muita gente não consegue.
    Daí entra outra questão:

    Não acho nada saudável submeter-se a algo que não te faz bem na cama (ou na vida mesmo); ou pior, abrir mão e ceder ao EGOÍSMO alheio.

    A sexualidade é algo intrínseco a cada um e o amor próprio não pode ser sacrificado por outra pessoa… (pra não acabar amando ninguém)

    Nisso concordo com um dos comentários: “me remeteu a uma ideia estúpida que eu vejo muito no meio hétero em que dizem que a mulher tem que dar o cu para segurar o marido. Mentira pura”

    Sendo assim, acho que você fez bem em terminar com o rapaz. Já que não havia essa disposição de ceder, CONFIAR e entregar-se… Existe coisa melhor que sujeitar-se a isso.

  9. Vitor Neves disse:

    Achei o post interessante, além dos pontos de vista. Eu sou flex, mas ainda assim me aconteceu algo parecido umas duas vezes, com parceiros diferentes. Um era ativo e não havia como rolar minha penetração naquele dia, e o outro era passivo, porém rolou a gafe de não haver camisinha. Eu super apoio as alternativas que temos no sexo, como deliciosas e intensas pré-eliminares, estimulações, sexo oral e tals. E ainda pode até rolar um frottage bacana e tals. Tudo vai de usar a imaginação na hora do sexo.

Deixe uma resposta